terça-feira, 20 de junho de 2017

GRUPO GALERIA DE ARTE: Sérgio Pacheco, Caio Ariê e Lucca Costa - Participação na 3ª FLIS Festa Literária de Sabará - 2017

Esta foi a primeira apresentação pública do GRUPO GALERIA DE ARTE nos dias 17 e 18 de junho ao redor do coreto da praça Santa Rita em Sabará, durante a 3ª edição da FLIS Festa Literária de Sabará - 2017

Sérgio Pacheco fundador do GRUPO GALERIA DE ARTE




Caio Ariê integrante do GRUPO GALERIA DE ARTE


Lucca Costa integrante do GRUPO GALERIA DE ARTE




























segunda-feira, 19 de junho de 2017

Obra: Almas gêmeas - Autor: Sérgio Pacheco - Técnica: Acrílica sobre eucatex - Dimensões: 80 x 207 cm - Ano: 2017 - Sabará, MG

Esta obra foi baseada no poema sem título de Elizabeth Bishop. Quero deixar claro, que o título "Almas gêmeas" é somente da minha obra plástica que ilustra o texto. Este quadro foi pintado nos dias 17 e 18 de junho de 2017, durante o acontecimento do evento FLIS: 3ª Festa Literária de Sabará, realizada todos os anos. Este evento é composto de contadores de histórias e causos, lançamento de livros, performances poéticos, músicas, teatro, artes plásticas, distribuição gratuita de livros, venda de livros, oficina de xilogravura, etc. O coreto da praça Santa Rita fica repleto de pessoas amantes da boa leitura e de novidades literárias.
O nosso GRUPO GALERIA DE ARTE esteve pintando no penúltimo e último dias deste evento.
Grupo este, criado recentemente por três artistas plásticos: Sérgio Pacheco, Caio Ariê e Lucca Costa.
Nesta edição registramos nossos melhores momentos de envolvimento e interação com o público.
"Almas gêmeas" mostra duas mulheres em privacidade que se deleitam, ambas aguardam tranquilas no silêncio da pose. Foi concluído  numa técnica semelhante ao pontilhismo, com pinceladas rápidas, tons e semitons em cores frias e quentes, para criar uma atmosfera de intimidade, de sensualidade e de romantismo. O azul predomina em grande porcentagem de toda a tela, justamente para evidenciar o clima noturno. Os tons quentes foram usados na carnação dos personagens centrais e na colcha de retalhos, para o equilíbrio cromático que se horizontaliza. Existe um frontalidade devido a ausência da distância, porém, essa observação é baseada no olhar imaginário das figuras que se encontram deitadas sobre algo que sugere um leito, parcialmente coberto por uma colcha de retalhos que parece fugir do quadro. As cores quentes foram usadas na colcha com a intenção de substituir elementos ou objetos alusivos ao romantismo, evitando assim, o excesso de informações e a banalização da composição. Ao lado direito do quadro escrevi o poema de Elizabeth Bishop com letras maiúsculas e minúsculas num branco quase gelo. Lado direito superior a lua foi  propositalmente introduzida para minimizar a tensão do azul sobre as massas que repousam por toda parte inferior da obra.